quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Varanda de Hotel




Há um perfume lascivo na tua pele

Que apetece inalar…

Deslizo o meu rosto nesse flúmen de seda

E desaguo nos teus seios em cascata 

Humedecendo-os,

Moldando-os no meu peito,

Numa tempestade tropical de desejo…

Sinto a tua líbido,

Como se escutasse uma melodia de Chopin

E em cada nota dessa cadência silenciosa

Embebo o teu arrepio,

Num desassossego desinquieto,

Para te penetrar

Sem serenidade,

Sem suavidade,

Numa conquista do corpo,

Incapaz de serenar no momento da posse!...

Beijo após beijo,

Despontam, sempre, novos sabores,

Como se de uma caixa de bombons se tratasse …

E neste furor inquietante

Diluis o néctar da paixão na tua saliva

E deixo-me vir na embriaguez

Que se dissolve no meu sangue

E amarra nossas almas…

Sem comentários:

Enviar um comentário