sábado, 11 de fevereiro de 2012

Tempestade de Fogo


Adenso aroma de limos e mar salgado

Tempestade de fogo em sangue ardente

Em teu éden cravo, cravo encarnado

Penetrando lento em solo quente.


Baía sexual, sempre sem confim,

Estendida sobre um leito do oceano

Que obscura claridade se abre em teu festim

De fogo genital sobressai em branco pano.


Em teu jardim púbico e orvalhado

Cultivo antúrio ateado, para teu prazer

Cerdoso, erecto e afogueado

Roça nas margens adensas a crescer…

Sem comentários:

Enviar um comentário