quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Gosto da terra e do ar

Dos doces das raparigas

Mergulhar na água do mar

E no olhar que sempre instigas


Pele de aroma e cetim

Vinho melífluo, enfeitiçado

Pedaço do meu festim

Em meu corpo embriagado


Canta, pula, chora e ri

No epicentro da loucura

Sempre que me encosto a ti

É céu azul e noite escura

Sem comentários:

Enviar um comentário