sábado, 21 de abril de 2012

Túnica da Paixão



Era de fogo a túnica da paixão,
Lábios rubros de um prazer mergulhado

No simples respirar do beijo mais demorado.

As deusas sedutoras do destino
Eram maresias de oceanos azuis,
Numa praia afrodisíaca e sem limites.

Fomos simples grão de emoções,
Ali tão docemente semeado,
Num gesto de ternura e aconchego.

O desejo foi então desembainhado
E a safra nasceu em nossos ventres,
Flor sensual, gestos de ousadia.

Agora que as gaivotas esvoaçam,
Não esperem de nós que nos deitemos
num leito frio, cândido e castrador.

Estamos ainda aqui com vigor,
Peregrinos que não perdem a vontade,
Viajantes no tempo que há de vir.

Sem comentários:

Enviar um comentário